Pandemias – lições olhando de 2050 para trás, por Fritjof Capra e Hazel Henderson

Foto: BUD HELISSON/ UNSPLASH.COM

Autor: Fritjof Capra e Hazel Henderson traduzido por Carolina Bergier e revisado por Guilherme Lito para a Escola Schumacher Brasil

Neste artigo traduzido por Carolina Bergier, da Escola Schumacher Brasil (com autorização da Capra Foundation), Capra e Henderson nos brindam com curiosas projeções de cenários, olhando o mundo a partir de uma retrospectiva. Somos convidados a mergulhar em 2050. O que aconteceu conosco em um cenário pós pandemia? Como nos adaptamos? O que passou a não fazer mais sentido e quais futuros emergentes ganharam força e materialização?

Capra é uma das maiores referências mundiais sobre Pensamento Sistêmico e, ao lado de Henderson, renomada economista futurista, nos dão sinais de possíveis mudanças em um futuro não muito distante. Algumas macrotendências e sinais de mudanças são apresentados, re-pensando vários setores como Gastronomia, Transporte, Moda, dentre outros. Como será se locomover, consumir, relacionar enquanto sociedade que passou por um cenário tão traumático em um passado recente? Quais lições ficaram desta pandemia?

E se, para restaurar os ecossistemas em todo o mundo, nossa mudança global para a agricultura orgânica e regenerativa florescesse “juntamente com alimentos a base de plantas, bebidas e todos os alimentos cultivados em água salgada e pratos de algas (…)”? E se, as ruas fossem “tomadas por pedestres, ciclistas e pessoas em scooters que navegam em lojas locais menores, galerias de artesanato e mercados de produtores”? É incrível se imaginar neste cenário e mergulhar neste universo de possibilidades.

Este artigo é um convite para refletirmos sobre qual é a qualidade da nossa Ancestralidade. Quais desafios globais conseguimos solucionar? Soubemos aproveitar o grande Re-set (Re-compor) que o momento nos proporcionou? Fica o convite de leitura para reflexão e co-criação de cenários, onde possamos reforçar nossa resiliência, proatividade e criar futuros com esperança produtiva.