Para evitar pandemias futuras, cadeia global de alimentos deve ser revista

Foto: Mariana Veiga (Mercado de carnes e peixes em Ollantaytambo, Peru)

Autor: Edison Veiga – Colaboração para UOL TAB

Desrespeito a vida animal, bolsões de escassez e habitats cada vez mais degradados – esses são alguns dos reflexos do nosso distanciamento da cadeia de produção de alimentos, projetado pela industrialização e urbanização da vida e impulsionado, de forma cada vez mais acelerada, até os dias de hoje. A soma desses fatores resulta em epidemias maiores e mais potentes com o passar dos anos.

“São bois tratados com ração de origem animal, são carcaças de animais silvestres que viram comida em locais de carestia, são frangos confinados em gaiolas diminutas, são porcos manejados em escala industrial”.

Analisando historicamente, o Covid-19 é apenas mais um dos vírus desencadeados a partir desse comportamento predatório, porém, é o primeiro a ganhar dimensões pandêmicas.
Temos a oportunidade, então, de repensar o sistema de produção de alimentos afim de evitar novas catástrofes.