Protagonismo de representantes de comunidades para ajuda durante o período de isolamento

Realização: Juntos pelo Complexo do Alemão

País: Brasil

Cartazes, grafite, carros de som e adaptações de músicas funk são estratégias adotadas por moradores de comunidades periféricas para tentar minimizar os danos da pandemia do novo coronavírus em áreas de risco. No Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, entidades criaram um gabinete de crise para elaborar ações de conscientização sobre a importância de lavar as mãos e evitar aglomerações.

Diante dos desafios para combater a covid-19 nas favelas, representantes de entidades da sociedade civil se organizam em todo o País para suprir lacunas em regiões desassistidas pelo Estado. Além de reunir doações de alimentos e itens básicos de higiene, um dos principais desafios das organizações é fazer as entregas chegarem aos beneficiários de forma segura, sem chance de contágio.

Outro foco é a campanha de arrecadação de doações para moradores da favela. No Rio, alguns dos responsáveis são do jornal comunitário Voz das Comunidades. Eles afirmam que parte do valor arrecadado será usada para a compra de água, álcool em gel e sabonete. A segunda etapa terá foco na distribuição de alimentos.

Criador do Voz das Comunidades, o ativista Rene Silva afirma que as doações ficam isoladas por pelo menos três dias em um local seguro a fim de evitar contaminações. Depois, tudo é higienizado e manuseado com luvas até chegar ao destino final.